Pular para o conteúdo principal

Tintas de Terra

por Ana Carolina Veraldo
Local: Miranda-MS

As tintas de terra que utilizam basicamente terra e cola PVA na composição, quando comparadas às tintas industrializadas são potencialmente mais sustentáveis,  além de saudáveis, pois é um material renovável que permite uma pintura sem toxinas (metais pesados e compostos orgânicos voláteis – cov’s), exigindo um menor dispêndio de energia para a sua produção, acarretando em economia quando o material é retirado do próprio terreno e a produção é feita in loco
A terra é o fator determinante das texturas e cores, em tonalidades que vão desde os beges, passando pelos cinzas, vermelhos, ocres, laranjas e pretos e estas podem ser aplicadas tanto em paredes internas quanto externas da edificação. A durabilidade vai de acordo com as condições de exposição da superfície, mas vale a pena ressaltar que as tintas são artesanais, sendo assim seu padrão de acabamento e comportamento ao longo do tempo são diferenciados das tintas encontradas no mercado. 
A consistência da tinta é atingida a partir da quantidade de água adicionada à mistura de terra com cola, sendo que outros materiais também podem ser inseridos, como é o caso da cal e corantes, dependendo da situação e das necessidades. Para a confecção a terra deve ser devidamente peneirada e destorroada e estar livre de matéria orgânica. Algumas receitas podem ser encontradas nos links deste blog.
Estas imagens são um resultado das pinturas com tintas de terra, feitas sobre blocos de concreto, com tintas confeccionadas na própria obra pelas mãos da Natália. Toda a edificação foi pintada com estas tintas, inclusive espelhos de escadas e pastilhas. 

Transferência de Tecnologia: Ana Carolina Veraldo
Pintura e Produção das tintas: Natália Candia
Desenhos: Pantanal Mídea

Comentários

  1. Parabéns pelo seu trabalho é tudo tão lindo que fico sem palavras para elogiar. Tomei a liberdade de postar um link em meu blog.
    Quando for possível venha nos visitar, será uma alegria. Abraços.
    Geralda
    http://atelierdasboasideias.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

SACOS DE TERRA

por Ana Veraldo

Casa de Terra Guarani
A técnica construtiva  consiste resumidamente em encher sacos de rafia com terra, formando um longo tijolo de terra compactada, dispostos em camadas interligadas por fios de aramefarpado. Este conceitofoi originalmente apresentadopelo arquitetoNaderKhaliliparaa Nasa, destinada a construção dehabitatsna Lua eMarte (www. calearth.org). Estudos desenvolvidos neste instituto demonstram que a técnica pode resistir a furacões e dilúvios e ainda resistir ao fogo. O sistema permite a produção de arcos estruturais, cúpulas e abóbadas ou formas retilíneas.




CONSTRUÇÃO TRADICIONAL INDÍGENA

compartilhando ...Indígena xinguano, Maniwa Kamayurá, ensina alunos de arquitetura da UnB.Maniwa Kamayurá, representante dos povos indígenas do Alto Xingu, especialista em construção da residência tradicional kamayurá, foi o último mestre da disciplina Artes e Ofícios dos Saberes Tradicionais, do projeto Encontro de Saberes, promovido pela Universidade de Brasília (UnB) em parceria com a SID/MinC. Maniwa foi acompanhado pelo professor de arquitetura da universidade, Jaime Almeida e construiu, junto com os alunos, uma maquete das casas que está habituado a fazer.
A maquete construída tem 2m x 0,5m, uma casa original tem em média 10m x 40m e abriga cerca de 30 pessoas. Produzida com materiais orgânicos – madeira e fibras – é feita praticamente a mão, com pouquíssimas ferramentas, dura de 15 a 20 anos e leva cerca de sete meses para ser construída. Maniwa e seu filho Wali passaram mais de duas semanas em Brasília com os alunos da UnB. O mestre explica que a casa é uma pessoa, s…

Cord Wood

Cord wood (tocos de madeira) é o termo usado para uma método de construção natural onde são utilizados tocos de madeira intercalados com massa à base de terra para a construção de paredes.
Para a construção, deve-se tirar a casca, cortá-los no tamanho adequado (largura da parede) e depois assentá-los com a massa feita basicamente de terra, água, pó de serra e algum estabilizante (palha, cimento ou cal), dependendo do tipo de solo. Quanto maior o diâmetro do toco, mais bonita fica a parede.  
Na Casa de Terra experimentei esta técnica nos vãos que ficaram entre as paredes de taipa e a cobertura, com tocos de angico. A técnica é bem artesanal e gostei do resultado.